Quarta 23 Janeiro 2019

LEOPOLDO CIRNE

Nasceu em 13 de Abril de 1870, na Paraíba do Norte, criando-se, porém, na cidade do Recife. Desde cedo, nele se revelou acentuado pendor pelos estudos e, favorecido por viva inteligência, avançava, com real proveito, em seu curso de humanidades. Dificuldades financeiras obrigaram-no a abandonar os estudos e a ingressar no comércio, quando contava onze anos de idade. Os comerciários atualmente desfrutam regalias e liberdades que aos de seu tempo não eram concedidas. Mal despontava a aurora, até a calada da noite, estava o empregado no serviço ativo. Só uma pequena parte do domingo podia o comerciário de então respirar mais livremente e dispor da sua vontade. Quis, porém, o destino que o nosso biografado, apesar de ter a alma cheia de belos sonhos, se visse na contingência de enfrentar, ainda menino, as lutas e a rude disciplina comercial, sacrificando, assim, seus mais caros ideais de formação intelectual!

Em pleno desabrochar da sua juventude, contava mais ou menos vinte e dois anos de idade, já ao lado do inolvidável Bezerra de Menezes trabalhava tão sincera e entusiasticamente em prol do Espiritismo, que desde logo granjeou a confiança de seus confrades que lhe sufragaram, em 1895, o nome para Vice-Presidente da Federação Espírita Brasileira.

Durante o período de 1900 a 1914, exerceu o cargo de Presidente da Federação Espírita Brasileira, substituindo Bezerra de Menezes.

Á sua perseverante força de vontade e de confiança na misericórdia do Alto, deve a Federação Espírita Brasileira a sede na Avenida Passos, inaugurada no dia 10 de Dezembro de 1911.

Consagrou-se no campo da literatura filosófico-religiosa como um dos grandes pensadores do Movimento Espírita do País, sendo mesmo cognominado - o Léon Denis brasileiro.

Conhecia profundamente a Bíblia e tinha de cor muitos trechos da Imitação do Cristo. As melhores obras de religião, filosofia, ciência, arte e literatura em geral lhe eram familiares.

Traduziu vários livros para o nosso idioma, entre eles "No Invisível" e "Cristianismo e Espiritismo", ambos de Léon Denis, e organizou, em 1904, o opúsculo "Memória Histórica do Espiritismo".

Desencarnou no Rio de Janeiro, na manhã de 31 de Julho de 1941.

Fonte: Grandes espíritas do Brasil – Zêus Wantuil